Santana do Cariri, Nova Olinda, Altaneira, Potengi,

Araripe, Campos Sales, Salitre, Tarrafas,

Assaré e Antonina do Norte.

Notícias

NOTA IMPORTANTE ALB ARARIPE-CE

DATAS AGENDADAS PARA POSSE

1º SEMESTRE

23/02/2019 - Araripe

Lúcia Nunes de Alencar

José Roberto de Morais


06/04/2019 - Tarrafas

Antonio Rafael Sobrinho

Germá Martins dos Santos


11/05/2019

Adriana Pereira Costa

Francisco Torres Pimentel


29/06/2019 - Araripe

José Vandir de Araújo

Antônio Hélio da Silva


05/07/2019 - Santana do Cariri

Paulo Fabiano Alberto Nunes

1º Aniversário da ALB/Araripe-CE em 10 de novembro de 2018.

Lançamento do Livro PATRONOS Vol. 1, uma obra coletiva organizada por Sandro Cidrão, Adriano Sousa, Eliziane Alves, Francisca Lira, José Evantuil, Maria Elói, Lucélia Muniz e Germá Martins. Este que é o primeiro volume dos quatro a serem publicados pela ALB/Araripe-CE com os trabalhos de pesquisa dos acadêmicos.

Patrona ALB/Araripe-CE - Por Raimundo Sandro Cidrão, Cadeira 12

Elizabeth Antão de Oliveira Lima é uma senhora clássica, culta, elegante e de um carisma contagiante. Ela teria nascido no Distrito de Brejo Grande, em Santana do Cariri, caso seu pai Francisco Antão de Souza, não tivesse mudado com sua esposa Otília Gomes de Matos Bantim e família, para São Pedro do Cariri, hoje Caririaçu, em decorrência de intempéries políticas. Mas retornou a Santana do Cariri onde passou sua infância e adolescência; chão que considera sua verdadeira terra natal.

Licenciada em Letras pela Universidade Católica de Recife, fez também o Curso Pedagógico, assim como vários outros de aperfeiçoamento na Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro-RJ, onde foi aluna do Professor Cândido Jucá Filho e do gramático Rocha Lima.

Professora de Língua e Literatura, e Técnica em Assuntos Educacionais, adotou Recife, capital do Pernambuco, como sua cidade mãe, onde reside no Bairro de Boa Viagem, e desfruta de grande respeito e admiração por parte de seus familiares e amigos; em virtude de suas qualidades as quais listá-las aqui, seria um nunca acabar. Simplicidade, bons princípios, talento, humildade, educação, dedicação, solidariedade, etc.

Como educadora foi uma exímia pesquisadora que sempre procurou manter a unidade da língua, com suas características. Trabalhou como professora em Araripina-PE, no Grupo Escolar Pe. Luiz Gonzaga e no Ginásio São Gonçalo, escola que também dirigiu. Em Recife, no Colégio Joaquim Nabuco (Secretária e professora); Colégio Carneiro Leão (Professora); Ginásio Barros de Carvalho (Técnica em assuntos educacionais e professora); Escola Técnica Federal (professora). Quase quatro décadas dedicadas à Educação.

Casada com o também professor Ranulpho de Oliveira Lima, de cuja união não houve descendência, Betinha ou Beta, como é mais comumente chamada carinhosamente pelos familiares como sua irmã Penha Vasconcelos, e amigos próximos, ao ficar viúva dedicou sua vida à literatura e à poesia.

É membro da União Brasileira de Escritores-UBE-PE e do Rotary Club de Recife, e como literata tem publicados vários livros de contos, crônicas e poesias, dentre os quais: "Faces do Tempo", "Abrindo as Porteiras do Mundo", "Brisas do Outono", "De volta com a Saudade", "Perguntas que me fizeram", "Bicho treva", dentre outros.

Participou de várias antologias e revistas em Recife, e no Cariri é colaboradora do Jornal "A Voz do Araripe", bem como do "Jornal da Confraria", da revista do espetáculo "O Calvário de Jesus" e "Cariri Destaque", do informativo "O Futuro Passa Aqui" da Sociedade Teatral Santanense, dentre outros.

Sua figura empática e singela, ao mesmo tempo chique e moderna, já é uma presença marcante nas Festas da Padroeira de Santana do Cariri, na EXPOCRATO, nas terras romeiras do Padre Cícero, bem como em eventos literários, culturais e artísticos.

Elizabeth Antão deixa presente em todos os seus trabalhos o alicerce da força, do amor e da determinação, e para cumprir mais uma missão nos brinda com sua história de vida, seus poemas e seus sonhos, que agora ilustram com letras douradas o patronato da Academia de Letras do Brasil-CE, em sua Seccional Araripe, na Região do Cariri Oeste.

Confira as obras publicadas por alguns Escritores do Cariri Oeste da ALB Araripe

"O processo de leitura possibilita essa operação maravilhosa que é o encontro do que está dentro do livro com o que está guardado na nossa cabeça." Ruth Rocha

Quer uma boa sugestão de leitura? Segue algumas sugestões das obras dos Escritores do Cariri Oeste que compõem a Academia de Letras do Brasil - Seccional Araripe-CE.

Através da Literatura Regional temos o registro da história da nossa gente, da nossa cultura e do nosso lugar. Quem abre um livro assim irá de alguma forma se encontrar em meio a lugares, personagens e histórias que se remetem as suas memórias, a sua realidade.

Publicações do Escritor Raimundo Sandro Cidrão:

- Resgatando a Memória de Santana do Cariri (3 edições);

- Ainda resgatando...;

- Pedaços de mim;

- Reescrevendo Patativa do Assaré;

- Você sabia?;

- Resgatando uma história de fé: Benigna;

- Benigna: um lírio no sertão cearense;

- Revivendo o passado;

- Resgatando a história do município de Altaneira;

- Madrinha da Farmácia peregrina da fé;

- Restaurando a memória fotográfica santanense;

OBS: publicações diversas - cordéis, revista, folhetos.

Publicações do Escritor Francisco Adriano de Sousa:

- Vivi um grande amor;

- Dona nem, 92 anos de história;

- Dois dedos de prosa;

- Araripe, cidade da Gente.

Publicações do Escritor Germá Martins:

- Que rádio é esse? - Contos;

- Poesia agora (antologia) - Poesia;

- VIII coletânea século XXI (antologia) - Poesia;

- As aventuras de Rob Porto - Quadrinhos.

Publicações do Escritor Antônio Hélio:

- Refúgio - livro de poesias;

- ZÉ Besta - Oiăo Tu Quase Matô Papai (cordel);

- Recado da Terra ao Homem (cordel);

- Dois Dedos de Prosa (coletânea de crônicas) - coautor.

Publicações do Poeta e Mestre da Cultura Antonio Rafael
- Tarrafas povo e Cultura;
- Filho de peixe, peixinho é;

- Contadores de história;
- Rafa e Rafinha;
- Versando e mostrando;
- Aroeira virou Tarrafas;
- Tarrafas virou Princesa;
- Estudando Patativa.

Publicações do Escritor Mariano Carvalho:

- Cartografia Participativa e Planejamento Urbano: experiências de práticas colaborativas no ambiente escolar em Campos Sales, Ceará.

Ler é muito importante para qualquer pessoa. Está mais que comprovado que quem adquire o hábito de ler com muita frequência, melhora a sua escrita e também a sua fala.

Viajar pela leitura
sem rumo, sem intenção.
Só para viver a aventura
que é ter um livro nas mãos.
É uma pena que só saiba disso
quem gosta de ler.
Experimente!
Assim, sem compromisso,
você vai me entender.

Clarice Pacheco

Acadêmicos Diplomados

Artigos

EU POR VOCÊ

Sempre que me olhas, eu estremeço

E fico a pensar, será que mereço?

Sempre que me tocas, eu arrepio

E fico a pensar, será desafio?

Ouço a tu voz pelo telefone

Não esqueço de ti, passo a noite insone.

Você me visita, eu respiro fundo

As vezes penso, existe outro mundo?

É no seu mundo que eu me sinto bem

Estou te esperando, me diz quando vem.

Só quero você, estou decidido

O que queres de mim? Atendo o pedido.


Francisco Adriano de Sousa

MADRUGADA


Era madrugada. Aparecera um vendaval.

A chuva caía torrencialmente.

Horas depois, tudo acalmou-se.

As árvores caídas, as folhagens

Tomando o espaço,

Os fios de energia baixos,

Os carros capotados,

Telhados no chão,

Monumentos destruídos,

Lamaçal estupendo!

O corpo de bombeiros salvando as pessoas

Naquele momento, as gaivotas revoando

Procurando seus ninhos.

E a esperança consistia

Nos corações das pessoas

Para superação

De tamanha dificuldade.


Francisca Ferreira de Lira e Silva

Um dia uma pessoa me perguntou: "Paulo, dentre tantas profissões que se ganham muito dinheiro, porque a música" ?

Sorri um pouco, respirei profundamente e falei: Meu pai era um simples motorista, minha mãe uma simples dona de casa, meus avós paternos uma simples dona de casa e um simples policial aposentado, meus avós maternos uma simples dona de casa analfabeta e um simples ex militar pracinha aposentado, vindo de uma formação acadêmica militar onde se aposentou como Segundo Tenente do Exército, mas que teve sua infância na roça e sua juventude trabalhando nos engenhos de cana de açúcar, e foi por ele que fui criado e educado. Um dia falei: Vô! Quero ser do exército. Ele disso: Meu filho, você será aquilo que quiser, basta querer, gostar e defender o que se faz por paixão, independente dos ganhos que venham lhe trazer, sem amor pelo que faz não existe preço.

Por isso eu amo a música e a cultura de um modo geral, independente dos rendimentos que a mesma me proporcione.

José Freire de Gusmão, meu avô, pai, amigo e patrono.

Paulo Fabiano Alberto Nunes

AOS ESPECULADORES

A tradição não deve ser quebrada, não pode ser quebrada; mas, para toda regra há exceção.

A Academia de Letras do Brasil/Seccional Araripe-CE nasce em Araripe representando as cidades de Santana do Cariri, Altaneira, Potengi, Araripe, Campos Sales e Salitre, regional Cariri-Oeste, e quebra a tradição das homenagens sempre às mesmas pessoas.

Um município não se faz apenas com prefeitos, vereadores, comerciantes e coronéis que jamais conheceram os salões da Guarda Nacional. Muito embora reconheçamos que um município se faz pela boa administração desses sobre a mão de obra dos populares.

A Seccional Araripe-CE, da Academia de Letras do Brasil, objetiva registrar tudo o que for digno de registro de agora em diante e resgatar o que nos falta em moral e bons costumes, vividos em outros momentos. Seguindo por essa via, far-se-á necessário as homenagens e os devidos reconhecimentos às pessoas envolvidas no processo de criação e desenvolvimento da nossa história.

A Seccional Araripe-CE conta com 29 membros perpétuos, todos escolhidos por mérito próprio; conta com 29 patronos devidamente escolhidos pelos membros e, em alguns casos, escolhidos pela presidência da Seccional Araripe; todos os patronos de reconhecido mérito. Portanto, não vejo necessidade de pensamentos, versões, indagações e questionamentos contrários a esses objetivos.

Acreditamos na seriedade do nosso trabalho, quando percebemos que há incômodo em alguns populares. Isso nos atesta que estamos no rumo certo. Continuaremos.

Passamos por um primeiro movimento no dia 05 de agosto, para apresentação da academia aos seus membros. Deste ponto em diante nos preparamos para a posse coletiva dos acadêmicos e a instalação oficial da Seccional Araripe-CE, já previamente agendada para o mês de outubro/2017. No evento de posse e instalação teremos outras homenagens e, posso assegurar, nenhuma delas será redundante. Elevaremos sob os nossos mais importantes símbolos acadêmicos os nomes os quais a história ainda não deu o devido reconhecimento.

Aos acadêmicos, peço que se preparem para o evento. Será da maior magnitude que pudermos.

Aos especuladores, peço desculpas. A nossa proposta não será mudada, pois são perpétuas tanto quanto os acadêmicos e seus patronos.

Francisco Adriano de Sousa

SERVENTIA

Das boas coisas do mundo, quem vive sabe é o melhor. Se com o físico perfeito, ótimo! Se não perfeito; mas são, muito bom! Os entraves que se travam nas entranhas dos seres ideais humanos é que são de amargar os sonhos da vida. E tem sido frequente nas pessoas desde que giram sem tonturas no globo. São contrastes chamados doenças. Aí a saúde só é notável quando são atingidos.

Já duas das melhores coisas no tempo saudável de corpo e mente, é alimentar-se bem do que mais gosta e se deitar dormindo profundamente uma noite sem intervalos. Comuns a crianças e adolescentes sãos. Suscitada da terra, viciada em alimentos, andanças e ao sono; a máquina aquática, carnal e calcífera, com esses bens, vive bem. E há alguns minutos eu achava que não era viciado a nada!

Quando desanda o conjunto de átomos em dissintonia com a harmonia do físico móvel cheio de células vivas em desconforme com o original e o natural, descompasso estupendo é acionado para desconforto da máquina animada. Aí vêm as dores, incertezas e medos de perecer deixando tudo, indo para o desconhecido. O medo dessa retirada involuntária faz a máquina ambulante andar mais ainda em busca de prorrogação sem pênaltis nos campos fechados e turvos do sofrimento. E vai se andando sofrendo, cantando chorando, rindo... E mesmo estando com os imprevistos que não se almejam, enquanto vivo, claro; recebendo um oi de alguém interessante, acontece um tim de desejos. Desejo de quem amando, no campo desimpedido e sem entraves, chega-se ao êxtase - O melhor feito durante a vida útil. A utilidade do amor é tão imprescindível na autoestima do ser, que até a paixão tem sua serventia no processo bengalado pelo amor. Quem é atingido por ela, tem axila cheirosa e não anda à toa nem remelento. E sente delírios só no olhar. Ser insípido, sem amor mesmo fraternal, é estar caroável a depressão no peito, grave pela importância da bomba valvulada a qual carregamos sem garantia da sua atividade contínua e longa durabilidade.

Exaltemos o amor nas distintas formas, sem as quais a humanidade não sobreviverá. Graças ao amor, os males praticados diluem-se no espaço e no tempo, cedendo lugar ao sol caudaloso a aquecer o planeta formigado de gente que mais ama do que não.

Ancorados pela Academia de Letras do Brasil, seus membros anseiam viver em telepatia com o amor e suas formas em voga, contagiando a todos pelos bons atos e nobres ações.

Antônio Hélio da Silva